quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Vezes há em que as palavras, quando escritas, adquirem outra força ou têm um impacto diferente. Já me encontrei e dialoguei com muitas pessoas, mas para algumas delas achei de escrever. Anos atrás escrevi a uma amiga que passava por momentos complicados. O nome dela não importa e nem sei se ela ainda se lembra da carta, mas o afeto e carinho que me moveu a escrever é legítimo e ainda perdura.

Podemos dizer que nossa vida é fruto da interação do que somos com o que nos cerca. Há coisas em nós mesmos que nos desagrada, como há outras, nas pessoas, que igualmente nos incomodam. É preciso, então, que nos equilibremos e saibamos lidar com as situações. Desvendado o segredo do equilíbrio, estaremos próximos da sabedoria, do discernimento e da liberdade.

Enquanto isso, precisamos estar bem. É preciso jogar o jogo da vida. E a vida, como os jogos, tem suas regras. Umas claras e visíveis, outras implícitas e sutis. Há parceiros, mas há também adversários. Enfrentamos competidores, uns leais, outros desonestos. Mas a escolha das armas é pessoal. Como pessoal é a coragem. Afinal, é preciso coragem para pensar, como é preciso para sofrer ou lutar, porque ninguém pode pensar em nosso lugar, nem sofrer ou lutar em nosso lugar.


Duros são os momentos em que tudo parece estar perdido e, cansados e vencidos, somos tentados a desistir. Muitas vezes, perplexo e aturdido, me peguei tentando entender e encontrar razões. E, desarmado, fatigado, incapaz, impotente, deixava abertos todos os espaços para que a maldade - velha vilã invisível e insaciável - penetrasse. Felizmente, sempre consegui despertar a tempo. E você não sabe contra quais e quantas forças já precisei enfrentar, por mim e por vocês.


Uma vez jurei que nunca perderia. Não foi um desejo e nem uma decisão. Foi um juramento. Não tenho muitas qualidades. Poucas são minhas virtudes. Minha fé também é fraca. Mas, até agora, tenho conseguido cumprir meu juramento e, sei, porque conto com a ajuda de muitos amigos que nunca permitem que eu perca. Talvez venha daí o que você chama de comprometimento. Menos que compromisso, acho que é mera retribuição.


Sim, perdi muitas vezes. E me esforcei para transformar cada derrota em vitória. Cometi muitos erros e muitos outros ainda virão (afinal, quem está livre deles?). De qualquer forma, não me arrependo de nada do que tenha feito ou deixado de fazer. Não carrego mágoas ou frustrações.


Às vezes não é bom levar tudo tão a sério. Para mim, não há razão para tensões exageradas, ou para que nos angustiemos em demasia. A vida toda deve ser uma grande diversão, um grande prazer. Não fosse assim, qual o sentido e a graça das coisas? Não quer dizer que devamos ser negligentes, descuidados ou irresponsáveis. Mas, acho que tem a ver com liberdade e felicidade. Ser capaz de, independentemente de qualquer coisa, sorrir, significa ser maior do que tudo. O sorriso é a vitória do espírito.


Acredito que tudo esteja sendo difícil para você. Com razão, deve estar se sentindo incapaz diante de coisas que não são nem pequenas nem grandes, mas são importantes. Mas, dificuldades e condições desfavoráveis estarão sempre presentes, em quaisquer tempos, espaços ou dimensões. E, você sabe, minha filosofia pessoal é: faça sempre o melhor! E não se preocupe em demasia com o que pensam de você. Você não é o que pensam de você. Você é o que você é. Precisamos, sim, revelar nossa verdadeira identidade. Daimoku.


De qualquer forma, fique sempre tranquila. Faça sempre o que deve ser feito, e não se preocupe com resultados. Falo por mim: feito o que deve ser feito, a vitória é certa e natural. Sendo certa e natural, não é preciso se preocupar com ela.


Se precisar, dê vazão a seus anseios e incômodos. Estarei sempre por perto. Fique próxima.

2 comentários:

Fernanda Freitas disse...

Olá, estou com saudades de vc e da "fina flor..."
Essa maravilhosa engenhoca que é a interner realmente está me fazendo rever conceitos. Pensar nas possibilidades que ela me oferece de estar conectadada as pessoas que de alguma forma fazem parte da minha história mas que por algum motivo estão distantes. Pessoas que habitam em mim, que estão na memória, independente da forma estão aqui ... no coração.
Conectividade, mudança de paradgigma...pensar nisso tem sido revelador para mim. "A tecnologia a nosso serviço".
Acho que defino seu blog como: essa magia que contagia.
É isso aí, poder registrar que vc está sempre aqui no coração, me deixou muito feliz!!!
Com carinho....

Anônimo disse...

Oi, eu conheço esta carta...de vez em quando a releio.
Você foi um grande apoio, esteve presente em momentos delicados e decisivos de minha vida. Sou eternamente grata!
Sinto saudades!!!